Ogeni Luiz Dal Cin*

Originalmente, no mundo antigo, pessoa significava a máscara do ator que representava uma personagem ou o papel doindivíduo nas representações sociais, sempre algo exterior. Aparência. Tanto num caso como noutro, pessoa era pura exterioridade, o que aparecia para os outros, ocultando a verdadeira subjetividade, o fundamento do ser.
Com o cristianismo, a pessoa passa asignificar o próprio conteúdo substancial escondido atrás das aparências exteriores e das representações teatrais ou sociais do ser humano. É a essência substancial constitutiva do ser humano, a fonte da dignidade.
A mudança do conteúdo do conceito depessoa deu-se em razão do esforço teológico cristão de chegar a compreender um pouco mais a respeito do Deus revelado: um só Deus em três Pessoas da mesmanatureza. E como o homem foi criado “à imagem e semelhança” desse Deus, o conceito de pessoa passa a ser a chave definidora do ser humano também, através da filosofia antropológica. Ora, essa ‘imagem e semelhança’ está sob a máscara, não é a máscara; a máscara expressa, mas não esgota a absoluta dignidade constitutiva da ontologia subjetiva da pessoa humana. Ou seja, a pessoa humana transcende a todos os demais seres e não pode ser violada por nenhum poder humano, porque ela traz em sua substância uma constituição ontológica que não decorreu exclusivamente do humano ou da natureza, mas do Criador. Sem Deus não há como salvar o homem. Nossa Constituição foi promulgada ‘sob as bênçãos de Deus’, mantendo-se dentro da tradição personalista que plasmou nossa história.
Nesse sentido, pouco importam a exterioridade, as diferenças, as fases da vida, a idade, pois o que importa, antes de tudo, é que há uma pessoa, ser original que transcende o mero dado, fundamento ôntico da igualdade, cuja substância é de natureza racional, nãoquerendo significar, com isso, que a racionalidade deva estar em ato o tempo todo e em todas as suas etapas de desenvolvimento. Desde que haja uma vida de natureza humana, não importa o grau de desenvolvimento em que se encontra, nem o grau de consciência própria, aí há uma pessoa humana portadora de uma dignidade absoluta, cujo dever do Estado é de zelar, defender, proteger e promover as condições de seu desenvolvimento. Naturalmente, então, o direito à vida estende-se da concepção até a morte natural, protegida pelo “não matarás” garantido pelo Estado. É antinatural aceitar que a régua do tempo ou o período de desenvolvimento da pessoa, independentemente dos nomes que lhes são dados, tornem-se critérios legais concedentes de poder absoluto ao Estado para reduzir ou aniquilar o direito à vida da pessoa humana.
O interesse de controlar o direito à vida da pessoa humana, ditado por interesses multinacionais, financiando a propaganda do aborto, subjugando a alma nacional, é prática de eugenia da natureza humana dos excluídos sociais porque visa, em concreto, por meio declínicas abortivas, instaladas preferencialmente nas periferias das grandescidades, a controlar a demografia dos pobres e dos negros, como declarou, nessa senda, a Deputada Fátima Pelaes. Mas os políticos alheios à defesa da soberania nacional nesta grave questão dos nascituros, não investigam a entrada do dinheiro destinado à promoção de crimes contra a natureza humana dos nascituros, nem se preocupam com a discriminação, que daí pode decorrer, em relação aospobres e negros, cuja população subliminarmente passaria a ser melhor controlada. Será que preferem, ao invés, proteger interesses escusos? O que é que faz compensar tais omissões? Por que os políticos não querem discutir oproblema com os seus eleitores, enganando-os depois? Por que aquela mídia preconceituosa em relação ao direito à vida dos nascituros parte da crença de que todo aquele que defende a vida da natureza humana desde a concepção, defende apenas uma ideia religiosa, sem respaldo na realidade, como se matar nascituros humanos não tivesse nada a ver com o direito à vida e como se a religião não fosse um fato natural do homem? Os promotores da morte dos nascituros e a preconceituosa mídia têm suas crenças centradas em que quem defende a vida dos nascituros são pessoas preconceituosas. Ora, o suprassumo dos preconceitos é o preconceito daquele que se julga não ter preconceito. Como não admitem a defesa do direito à vida dos nascituros, do alto de sua prepotência, declaram que todos os demais são preconceituosos. Não bastasseisso, por que falsificar dados para criar uma falsa justificativa para matar os nascituros humanos? Mas igual decreto de morte não pode ser aplicado a alguns animais irracionais (criminalização da destruição de ovos de tartaruga). Ouseja: nenhum nascituro humano teria o direito à vida, enquanto alguns animais o teriam garantido pelo Estado, com a força da lei. Colocam-nos abaixo dos animais em valor e dignidade. Bem, até o direito de mentir para melhor promover o aborto é mais importante que o direito à vida dos nascituros! Por que romper a multissecular história da pessoa humana fundadora da cultura ocidental para justificar uma escusa prática de eugenia dos excluídos sociais? Ora, se as pesquisas atestam que mais de 70% dos brasileiros são francamente contra o aborto, por que, mesmo assim, uma pequena minoria, sem legitimidade popular, a serviço de interesses internacionais escusos tudo fazem para introduzir o aborto? Por que temem tanto uma CPI do aborto? Por que não revelam suas razões de fato, não as aparentes? A verdade sempre estará do lado da vida, a mentira do lado damorte. Logicamente, quem condena o nazismo, não pode justificar o direito de matar nascituros humanos, renovação do holocausto. E, paradoxalmente, “todos os que são a favor do aborto já nasceram”.
O embrião humano é uma pessoa humana, sim senhor. Não é o Estado que faz a pessoa humana; a pessoa humana inicia-se na concepção. Fora dessa perspectiva antropológica personalista, o Estado torna-se um ditador, um senhor prepotente da pessoa humana e dos seus direitos. E, sem o primado da pessoa humana, todos os demais direitos passam a depender da vontade volúvel que se instala no exercício do Poder político.

* O autor é advogado e filósofo. Foi membro da Comissão de Defesa da República e da Democracia da OAB/SP.

Autorizada ampla divulgação, respeitados otexto e o nome do autor.

As principais fases do desenvolvimento embrionário humano! (25 imagens)

O fotógrafo Lennart Nilsson passou 12 anos da sua vida tirando fotos de esperma, óvulos e fetos humanos desenvolvendo-se no útero. Estas incríveis imagens foram obtidas com câmeras convencionais equipadas com lentes macro, endoscópios e microscópios eletrônicos de varredura. Nilsson usou em algumas fotos magnificações de centenas de milhares de vezes e esteve bem perto dos fetos dentro de seus úteros. Sua primeira fotografia de feto foi feita em 1965. Neste post você poderá acompanhar através de imagens impressionantes, todas as etapas do desenvolvimento humano.

incredible_photos_a_child_is_born_640_02.jpg
O óvulo…

incredible_photos_a_child_is_born_640_03.jpg
…tem um encontro com alguém. Adivinha.

incredible_photos_a_child_is_born_640_05.jpg
Aquí dois espermatozóides disputam o grande prêmio.

incredible_photos_a_child_is_born_640_06.jpg
E este venceu.

incredible_photos_a_child_is_born_640_07.jpg
Close nele!

incredible_photos_a_child_is_born_640_08.jpg
5 a 6 dias – Um blastocisto com algumas células se prepara para entrar no útero.

incredible_photos_a_child_is_born_640_09.jpg
incredible_photos_a_child_is_born_640_09.jpg
8 dias – O embrião recém-formado se anexa à parede do útero.

incredible_photos_a_child_is_born_640_10.jpg
O cérebro é uma das primeiras coisas que começa a se desenvolver no embrião.

incredible_photos_a_child_is_born_640_11.jpg
24 dias – O embrião de quase um mês ainda não tem esqueleto, mas o pequeno coração já começa a funcionar logo no décimo oitavo dia.

incredible_photos_a_child_is_born_640_12.jpg
4 semanas.

incredible_photos_a_child_is_born_640_13.jpg
4.5 semanas.

incredible_photos_a_child_is_born_640_14.jpg
Com 5 semanas e aproximadamente 9 milímetros de comprimento. Pode-se agora distinguir uma face com os orificios para os olhos, boca e nariz.

incredible_photos_a_child_is_born_640_15.jpg
40 dias – Células embriônicas dão origem à placenta. Este órgão conecta o embrião à parede do útero, permitindo a aquisição de nutrientes, eliminação de resíduos e troca de gases através do sangue da futura mãe.

incredible_photos_a_child_is_born_640_16.jpg
8 semanas – O crescente embrião está agora protegido por um saco fetal

incredible_photos_a_child_is_born_640_17.jpg
10 semanas – Os olhos aparecem semi-fechados. Em poucos dias estarão completamente fechados.

incredible_photos_a_child_is_born_640_18.jpg
16 semanas – O feto agora usa suas mãos para explorar seu corpo e as redondezas.

incredible_photos_a_child_is_born_640_19.jpg
O esqueleto consiste de cartilagem bem flexivel. Uma rede de veias e artérias é facilmente visível através da finíssima pele.

incredible_photos_a_child_is_born_640_20.jpg
18 semanas: Aproximadamente 14 cm. O feto agora pode perceber sons vindos do ambiente externo.

incredible_photos_a_child_is_born_640_21.jpg
19 semanas.

incredible_photos_a_child_is_born_640_22.jpg
20 semanas: Aproximadamente 20 cm. Um cabelo lanoso conhecido como "Lanugo" cobre toda a cabeça do futuro bebê.

incredible_photos_a_child_is_born_640_23.jpg
24 semanas.

incredible_photos_a_child_is_born_640_24.jpg
26 semanas.

incredible_photos_a_child_is_born_640_25.jpg
6 meses – Ainda há pelo menos 8 ou 10 semanas pela frente, então o futuro bebê começa a se preparar para deixar o útero e vira de cabeça para baixo para facilitar a saída.

incredible_photos_a_child_is_born_640_26.jpg
36 semanas – Daquí há 4 semanas, esta pequena criança irá juntar-se à nós.

Por Viviane Pereira

Fonte: www.hipernovas.org

Posted in Sem categoria

Deixe um comentário sobre a notícia!