Em entrevista ao jornal francês Le Journal du Dimanche, o autor de “O alquimista” detonou o Mundial, disse que não irá aos estádios e atacou e o ex-jogador Ronaldo

Paulo Coelho bateu forte no ex-craque Ronaldo (© Getty Images)
Paulo Coelho bateu forte no ex-craque Ronaldo (© Getty Images)

Paulo Coelho bateu forte no ex-craque Ronaldo

O escritor brasileiro Paulo Coelho foi um dos VIPs presentes no evento da Fifa que apontou o Brasil como sede da Copa do Mundo 2014, ainda em 2007. Muito tempo depois, ele parece estar bastante arrependido de ter comparecido à festa de gala.

Em entrevista ao jornal francês Le Journal du Dimanche, o autor de “O alquimista” detonou o Mundial, disse que não irá aos estádios e atacou e o ex-jogador Ronaldo, membro do Comitê Organizador Local do torneio de seleções.

LEIA MAIS
Arena Corinthians receberá segunda partida oficial antes da Copa
‘Seca’ em São Paulo atinge seleção, e jogadores ficam de rosto sujo em evento
Entre altos e baixos, Neymar vê aprendizado e evolução em ano de estreia na Europa

“Está fora de questão! Assistirei aos jogos pela TV, mas eu não vou (ao estádio). Eu tenho dois ingressos para jogos, e eu estava na delegação oficial com Lula, Dunga e Romário quando a Fifa escolheu o Brasil. Estou muito decepcionado com tudo o que aconteceu desde então. Nós poderíamos usar o dinheiro para construir algo diferente de estádios em um país que precisa de tudo: hospitais, escolas, transportes”, disse Coelho.

“Ronaldo é um imbecil por dizer que não é o papel da Copa do Mundo para construir esta infraestrutura. Ele deveria fechar a boca. A Copa do Mundo pode ser uma bênção e um momento de comunhão para nós como foi para a França ou a Alemanha. Mas é um desastre.”, completou.

Apesar das críticas, Paulo Coelho também se revelou um fanático por futebol na entrevista, e apontou a seleção brasileira como favorita a conquistar o título do Mundial.

“Brasil, eu espero (que ganhe)! Eu gosto muito do Marcelo e do Neymar. Sou um espectador apaixonado, posso desligar a TV com raiva se as coisas não saem do jeito que eu quiser. Em 1994, eu preferi ir à praia do que ver a disputa de pênaltis da final Brasil e Itália. Meu coração não poderia suportar aquilo”, contou.

Posted in Sem categoria