Prezado(a) Editor(a)

Bom dia.

Venho por meio deste e-mail solicitar a possível publicação de um artigo de opinião cujo título é: CARTA ABERTA AO POLÍTICO LULA.

Como já dito em outras ocasiões que entrei em contato com o jornal gostaria de ter a oportunidade de publicar o presente artigo.

Afirmo isso pelo artigo ser produto de um projeto de extensão que desenvolvemos na UFMS (Campus de Três Lagoas/MS) em parceria com professores e/ou discentes da UFAL (Campus de Arapiraca/AL); ESALQ/USP (Campus de Piracicaba/SP); USP (Campus de Ribeirão Preto/SP e São Paulo/SP); UFG (Campus de Goiânia/GO); UNIFEI (Campus de Itajubá/MG); UNESP (Campus de Tupã/SP); Anhembi Morumbi de São Paulo/SP; Faculdades Gammon de Paraguaçu Paulista/SP; Faculdade de Presidente Epitácio/SP (Grupo UNIESP S/A); Faculdades Integradas de Cacoal/RO; UFAM (Campus de Manaus/AM); UFMT (Campus de Cuiabá/MT); UEMS (Campus de Paranaíba/MS) e UNICESUMAR (Campus de Maringá/PR).

Se possível for (claro que não desejo dar trabalho) gostaria de receber o arquivo em PDF da capa e da página onde for publicado o referido artigo.

Contamos com isso para comprovar junto a Pró Reitoria que acampa o projeto.

Informo ainda que em data futura tal artigo estará contido em um livro onde estará informado que o presente artigo foi publicado no respectivo jornal.

Assim sendo, segue artigo abaixo e em anexo.

Sem mais para o momento e muito obrigado por vossa atenção!

Att.
Professor Dr. Marçal Rogério Rizzo

……………………………………………….

CARTA ABERTA AO POLÍTICO LULA

Por Marçal Rogério Rizzo

É, senhor Luiz Inácio Lula da Silva, elaboro esta carta pública por ter ciência das dificuldades que teria em poder falar o que penso do “político Lula” para o próprio Lula ao vivo e em cores. Aliás, acredito que milhões de brasileiros adorariam abrir o coração e falar ou mesmo escrever algo ao senhor.

Com uma pesquisa rápida, sabemos que o brasileiro Lula, filho de lavradores analfabetos, nasceu em Caetés (PE) em outubro de 1945, numa casa de chão batido. Veio para o estado de São Paulo num pau de arara e, aos 14 anos, foi admitido num curso de torneiro mecânico do SENAI. Começou a trabalhar cedo e, ainda durante a Ditadura Militar, ingressou no movimento sindical e posteriormente na política. E, como não poderia deixar de ser, sofreu horrores pra chegar à Presidência da República, cargo que exerceu de 1º de janeiro de 2003 a 1º de janeiro de 2011.

Bom, vendo essa síntese da biografia do senhor, até parece que foi um caso de sucesso: afinal, saiu da extrema pobreza, do semiárido nordestino e tornou-se um dos homens mais importantes do planeta Terra, ou melhor: o presidente da 7ª economia do mundo.

Contudo, ex-companheiro Lula, o derradeiro desta história poderia ter sido formoso, até comparado a um sonho, mas, nos últimos meses, parece que o pesadelo, fruto do abandono do projeto de nação que o senhor e seu PT pregavam em toda esquina, tomou conta da vida dos brasileiros.

Por sinal, o senhor e parte de seus companheiros parecem ter ficados embebedados com o poder e, para continuar no poder, adotaram a postura questionável. Esse ambicioso projeto anti-nação, com ênfase nos negócios ligados ao poder pelo poder, alimentaram as podridões da velha e rasteira política brasileira. Sei que muitos podem até afirmar que a política é assim mesmo, uns dando rasteira nos outros, ou seja: a política sendo usada em benefício próprio. Talvez Nicolau Maquiavel pudesse aprender algo com a política brasileira.

É, político Lula, um dia o grupo Paralamas do Sucesso cantou a música “Luís Inácio (300 picaretas)”, que o colocava como referência suprema na política: “Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou / São trezentos picaretas com anel de doutor […].” E agora? Possivelmente não seria mais essa referência. Já pensou que o senhor perdeu a oportunidade de ter seu nome cravado nos livros de história como um estadista? Como diria o caboclo, “o cavalo passou arreado”… E alguns de seus companheiros que foram presos por corrupção e outros crimes? Já raciocinou que seu partido político – o PT – ocupa as páginas policiais? E sobre a baixíssima popularidade de sua sucessora? (Pesquisas revelam que apenas 9% acham o governo Dilma bom e ótimo – IBOPE/Dez/2015). Está até correndo risco de impeachment. É, político Lula, o senhor tem conseguido dormir à noite? Pensou que o projeto de poder de vocês tem tirado a comida da mesa de muitos brasileiros? E os milhões que perderam e perderão seus empregos? Graças ao PT e aliados o Brasil deverá ter o 1º biênio de recessão desde a década de 1930. Lula, já pensou nos brasileiros que morrem nos hospitais por falta de atendimento adequado? E o que o senhor e o PT fizeram pra mudar efetivamente esse quadro? Vale lembrar aqui que o senhor, a presidente Dilma e tantos outros políticos tratam da saúde no Hospital Sírio-Libanês, enquanto parcela considerável do povo morre nas filas ou por ausência de atendimento adequado.

É inaceitável que parte dos petistas, que sempre pregaram a moralidade, a ética e os bons costumes, fizessem o que fizeram/fazem. Além de plantar dificuldades e incertezas na vida das pessoas em todas as áreas, deixaram que a corrupção se ampliasse no país. Lula, cadê os bons exemplos, cadê os valores, cadê a esperança?

Um dia, milhões de brasileiros sonharam com um Brasil melhor – e eu fui um deles: já coloquei a estrelinha no peito, já fui filiado, já acreditei que o PT iria governar em prol do projeto de nação, buscando dar dignidade e justiça social, porém me sinto enganado. Isso não ocorreu como foi prometido!

Tenho um filho de três anos e nove meses e a certeza de que, “graças” à continuidade e agravamento que parte dos petistas e aliados deram ao velho sistema político, meu amado filho não terá um país bom pra viver. Pego carona nas palavras da ministra Cármen Lúcia: "Na história recente da nossa pátria, houve um momento em que a maioria de nós, brasileiros, acreditou no mote segundo o qual uma esperança tinha vencido o medo. Depois, deparamos com a Ação Penal 470 e descobrimos que o cinismo tinha vencido aquela esperança. Agora parece se constatar que o escárnio venceu o cinismo […]”.

É, político Lula, “nunca antes na história deste país” um ícone de honestidade e esperança tem sido transformado em mais um político decadente, que está tendo sua imagem caracterizada num boneco inflável vestido de presidiário com o número 13171 e intitulado de “Pixuleko”. Não queria ter lido o que Ferreira Gullar escreveu no artigo “O fim do caminho” (Folha de São Paulo, 13/09/2015): “Lula e sua turma agem sem remorsos, uma vez que, sendo eles os defensores dos verdadeiros interesses nacionais, julgam-se com o direito de se apropriarem dos bens públicos”. A desesperança machuca demais!

Lula, que triste fim o lulopetismo está tendo… E – o pior –: arrastando a população na/para a lama!

Marçal Rogério Rizzo: Economista e professor do curso de Administração da UFMS – Campus de Três Lagoas/MS. E-mail: marcalprofessor

Posted in Sem categoria