Durante está semana saiu o resultado do ENEM e apenas 3 das 100 melhores escolas do Ensino Médio brasileiro eram públicas. Fiquei extremamente triste e preocupado, pois sou Professor do Ensino Médio desde 1994 e vejo ano a ano ele ser sucateado e ser culpado de muita coisa.

Aqui no Estado de Santa Catarina somos (nós Professores) responsáveis pelo alto gasto com folha de pagamento, pelas regalias ( como se tivéssemos verba de gabinete, carros oficiais, diárias pagas sem sair do gabinete)também pelo baixo índice no ENEM, pela indisciplina escolar, pela evasão de alunos, afinal, somos os culpados.

Não podemos chamar a atenção, não podemos castigar, se aplicamos conteúdos mais complexos, estamos lascando a turma, se somos mais liberais, somos fracos e incapazes, se nos aproximamos dos alunos, é assédio, se nos mantemos distantes, somos displicentes e soberbos, temos que apanhar na cara e ainda dar a outra face, não podemos mais reprovar, se aplicar uma prova mais difícil, temos que fazer recuperação paralela, ou fazer um trabalho para ajudar na nota.

Já vivi situações que o gerente de uma Gered (ADR) nos obrigou a mudar notas de mais de 50% das turmas, por que seria chamado sua atenção pelo desempenho dos alunos de sua secretaria e alto índice de reprovação. ]

O Ministério Público obriga os pais a mandarem seus filhos para a escola até completarem 18 anos, porém a maioria destes vai para a escola, não faz nada, nem uma atividade, além de incomodar, dá despesa aos cofres públicos com merenda e transporte, deveria ser cobrado também seu desempenho.

Esquecem os nobres governantes e os pedagogos de escrivaninha, que não entram numa sala de aula tem décadas, que hoje ser Professor é atividade de risco. Fora a má remuneração, que deixam os profissionais mais competentes (com maior formação) com cargas mínimas, só para manter-se efetivos no Estado e buscam as escolas particulares para ter uma renda digna, outros por não ter nada melhor para fazer, devido à crise econômica proporcionada por uma “ PÁTRIA EDUCADORA”.

Tem escolas públicas em nosso Estado e em certos munícipios que as aulas a noite os Professores saem em grupos por causa de ameaças dos alunos, veículos de professores depredados, porque talvez reprovarem ou por terem sido chamados a atenção.

Sugiro que os nobres gestores da educação coloquem observadores nas escolas, infiltrados (Tipo P2), para relatar a verdade (a verdade verdadeira, não a maquiada, como os números da economia) .

Quando leio PNE, PPP, relatórios e projetos, penso que estou na Suíça, Noruega, Canadá, ensino integral, contra turno profissionalizante, mais a realidade é outra, seria cômico se não fosse trágico.

Escolas que deveriam ter internet em todas as salas, projetores e quadros interativos, material esportivo, tem a tinta de canetões racionada, quadros ainda que se usa giz e de pintura duvidosa e segurança precária. Temos alunos do Século XXI, Professores do Séculos XX e Escolas do Século XIX.A sociedade moderna surgiu num tripé Família, Igreja, Escola, qual delas ainda resiste?

Desculpe-me o desabafo, posso ser até punido, chamado a atenção, ser criticado, mas para quem me conhece, não sou de meias palavras ou de falar coisas para agradar todo mundo, nem que me fazer de sábio, intelectual ou dono da verdade, tenho meu grau de culpa, mas acredito que descrevo o sentimento de muitos colegas que ainda acreditam na Educação como ferramenta transformadora da Sociedade. Obrigado. Que Deus, que deve estar com a agenda cheia, nos ajude.

Edgar da Silveira Maciel

Prof. Dego

matrícula 287043

Deixe um comentário sobre a notícia!