Pesquisa recente aponta que Videogame 3D turbina cérebro de vovôs e vovós

Redação do Diário da Saúde

Os ganhos foram marcantes demais para não serem percebidos.

Videogame na terceira idade

Se você tem entre 55 e 75 anos, pode pedir de Natal um console de videogame com jogos 3D – além de se divertir, a prática no jogo vai lhe ajudar a evitar deficiências cognitivas leves e talvez até prevenir a doença de Alzheimer.

Em dois experimentos separados, um feito em 2014 e outro em 2017, jovens na faixa dos vinte anos foram convidados a jogar videogames 3D de lógica e quebra-cabeças em plataformas como o Super Mario 64. Os resultados mostraram que a matéria cinzenta em seu hipocampo aumentou após o treinamento.

O hipocampo é a região do cérebro associada principalmente à memória espacial e episódica, um fator chave na saúde cognitiva de longo prazo. A matéria cinzenta que ela contém funciona como um marcador de distúrbios neurológicos que podem ocorrer ao longo do tempo, incluindo o comprometimento cognitivo leve e a doença de Alzheimer.

Agora os resultados foram replicados entre idosos saudáveis, mostrando que videogame também é coisa de titios, titias, vovôs e vovós.

Tunando a plasticidade cerebral

Videogame 3D turbina cérebro de vovôs e vovós
[Imagem: Greg L. West et al. – 10.1371/journal.pone.0187779]
 

A equipe recrutou 33 pessoas com idades entre 55 e 75 anos, que foram distribuídas aleatoriamente em três grupos: um jogou Super Mario 64 por 30 minutos por dia, cinco dias por semana, outro teve aulas de piano (pela primeira vez na vida) com a mesma frequência, enquanto o terceiro grupo não realizou qualquer tarefa específica.

O experimento durou seis meses e foi conduzido nas casas dos participantes, onde foram instalados os consoles e os pianos, fornecidos pela equipe do professor Gregory West, da Universidade de Montreal (Canadá).

Exames de ressonância magnética feitos ao final do período revelaram que apenas os participantes no grupo dos videogames apresentaram aumento do volume de matéria cinzenta no hipocampo e no cerebelo. A memória de curto prazo também melhorou.

A matéria cinzenta também aumentou no córtex pré-frontal e no cerebelo dorsolateral dos participantes que tiveram aulas de piano. Já o grupo de controle apresentou um pequeno grau de atrofia nas três áreas do cérebro.

“Os videogames em 3-D exigem que o hipocampo crie um mapa cognitivo, ou uma representação mental, do ambiente virtual que o cérebro está explorando. Vários estudos sugerem que a estimulação do hipocampo aumenta a atividade funcional e a matéria cinzenta nessa região,” disse o Dr. Gregory West.

“O que ainda precisa ser visto é se é especificamente a atividade cerebral associada à memória espacial que afeta a plasticidade [do cérebro], ou se é simplesmente uma questão de aprender algo novo,” finalizou o pesquisador.

Deixe um comentário sobre a notícia!